Sigam-me os bons.

domingo, 29 de dezembro de 2013

Dilma faz gol de placa ao escolher caça Gripen-NG da sueca Saab

destaque
A opção do governo brasileiro por adquirir 36 caças modelo Gripen-NG da empresa sueca SAAB, cujos investimentos serão de US$ 4,5 bilhões dentro de um cronograma que se estenderá até 2023, foi um gol de placa da presidenta Dilma Rousseff. O anúncio feito ontem pela presidenta, acompanhada pelo ministro da Defesa, Celso Amorim e pelo ministro da Aeronáutica, Juniti Sato, marcam o início de um futuro promissor para a indústria aeronáutica brasileira de defesa e para as Forças Armadas.


 A oferta vencedora engloba não apenas o fornecimento das aeronaves supersônicas, o pacote inclui a transferência de 100% da tecnologia dos códigos fontes, a logística inicial, o treinamento, os simuladores de voo e uma cooperação industrial que irá gerar no mínimo 1,8 mil empregos diretos e indiretos. A fábrica, em parceria com a Embraer, será construída em São Bernardo do Campo, cujo prefeito é o petista Luís Marinho.
A presidenta Dilma, conforme publicou o jornal O Globo na edição de hoje, disse que “é importante que a gente tenha consciência de que um país com as dimensões do Brasil, com os desafios do Brasil, deve estar sempre pronto a proteger seus cidadãos, a proteger seu patrimônio e a proteger sua soberania. Prova disso são revelações recentes também que evidenciam que nossas riquezas sempre podem suscitar comportamentos desrespeitosos e, mesmo, intrusivos em nossa soberania. Por isso, nós devemos desenvolver todas as possibilidades de proteção à nossa privacidade e a nossa soberania, notadamente todos os sistemas criptográficos e todos os demais elementos essenciais à defesa cibernética”.
Em nota oficial divulgada ontem pelo Ministério da Defesa, o governo confirma a aquisição do Gripen-NG, caça supersônico de última geração que atenderá às necessidades operacionais da FAB para os próximos 30 anos e que faz parte do Programa de Articulação e Equipamento da Defesa e da Estratégia Nacional de Defesa.
Segundo essa nota, durante todo o processo de seleção, cujos estudos preliminares remontam ao ano de 1992, o Comando da Aeronáutica (Comaer) se pautou pela busca do melhor conhecimento dos aspectos técnicos, operacionais e logísticos atinentes às aeronaves participantes da escolha. A nova aeronave multimissão foi projetada para controle do ar, defesa aérea, reconhecimento aéreo, ataques ar-solo e ar-mar. Dentre os requisitos apontados pela FAB, destaca-se a tecnologia de ponta, com avançado sistema de sensores e fusão de dados, características que proporcionam ao piloto um quadro completo e preciso do cenário de emprego.
Mais econômico do que os rivais, o novo caça permitirá à FAB enfrentar ameaças em qualquer ponto do território nacional com carga plena de armas e combustível e isso significa, na prática, poder dissuasório que resultará na garantia da soberania do Brasil.
Histórico da aquisição
De acordo com a Agência Força Aérea, a necessidade de reequipar configurou-se, definitivamente, no ano 2000, com a denominação Projeto F-X, fruto dos estudos iniciados em 1992, quando a FAB delineou os primeiros requisitos das aeronaves que deveriam substituir os F-103 MIRAGE III, operados, na Base Aérea de Anápolis, em Goiás, desde o início da década de 70.
Em agosto de 2001, o Comando da Aeronáutica iniciou a seleção das empresas ofertantes de equipamentos compatíveis com os requisitos então definidos. No final do mesmo ano foram selecionadas as seguintes aeronaves, apresentadas por ordem alfabética: Gripen, F-16, MIG-29, Mirage 2000 e SUKOI 30.
No início de 2003, o processo foi suspenso pelo Governo Federal, tendo sido retomado em 1º de outubro do mesmo ano. À época, os participantes reexaminaram suas propostas com a finalidade de apresentar as atualizações julgadas pertinentes.
Em 31 de dezembro de 2004, com o término dos prazos válidos das propostas, sem ter ocorrido a escolha de uma aeronave, o governo decidiu preencher a lacuna decorrente da desativação dos F-103 MIRAGE III, que ocorreria em 2005, com a compra de 12 Mirage 2000-C usados, fabricados na década de 80 e oriundos da Força Aérea Francesa.
Na FAB, recebeu a designação de F-2000. É operado desde 2006 pelo Primeiro Grupo de Defesa Aérea, na Base Aérea de Anápolis, tendo sua desativação prevista para 31 de dezembro deste ano de 2013.
Em 2007, o Estado-Maior da Aeronáutica reiniciou os estudos sobre as necessidades operacionais e características concernentes ao novo avião de caça multiemprego que deveria reequipar a FAB e, em 15 de maio de 2008, instituiu a Comissão Gerencial do Projeto F-X2, com o objetivo de conduzir os processos dessa aquisição, por meio de escolha direta, em consonância com os preceitos da Lei nº. 8.666, visando à seleção da proposta mais vantajosa para o País.
A aeronave escolhida precisaria oferecer condições para atender ao cronograma de desativação de aeronaves de combate da FAB, bem como dotar a Instituição de uma frota padronizada de aviões de caça de multiemprego, enquanto os Mirage 2000-C têm sua desativação prevista para 2013, os F-5EM deixarão de operar a partir de 2025, enquanto que o A-1M deverá ser desativado a partir de 2023.
Inicialmente, seis empresas com seus respectivos produtos foram pré-selecionadas: as norte-americanas BOEING (F-18 E/F Superhornet) e Lockheed Martin (F-16), a francesa Dassault (RAFALE), a russa Rosoboronexport (SUKHOI SU-35), a sueca SAAB (Gripen-NG) e o consórcio europeu Eurofighter (TYPHOON).
No final de 2008, considerando os aspectos referentes às áreas operacional, logística, técnica, de compensação comercial (offset) e transferência de tecnologia para a indústria nacional, foram selecionadas três aeronaves para compor uma “short-list” ou lista reduzida para prosseguir a escolha, aqui apresentando-se em ordem alfabética: Boeing (F-18 E/F Superhornet), Dassault (RAFALE) e SAAB (Gripen-NG).
Em 2 de outubro de 2009 os três ofertantes encaminharam suas melhores propostas. Em 5 de janeiro de 2010, o Comando da Aeronáutica remeteu ao Ministério da Defesa o relatório final do Projeto F-X2, instrumento de assessoria à decisão do Governo Federal.
As análises prosseguiram e, ontem, a presidenta Dilma Rousseff anunciou a decisão de adquirir as aeronaves Gripen-NG, da empresa SAAB, representando investimentos da ordem de US$ 4,5 bilhões, em um cronograma que se estenderá até 2023.
A Aeronave
A aeronave é um modelo supersônico monomotor projetado para emprego em missões ar-ar, ar-mar e ar-solo, sob quaisquer condições meteorológicas e desenvolvido para se adaptar à evolução das ameaças e exigências operacionais, enfrentadas pelas modernas Forças Aéreas.
A versão brasileira, a ser desenvolvida em parceria com empresas locais, a partir do projeto original destinado à Força Aérea da Suécia, contará com modernos sistemas embarcados, radar de última geração e capacidade para empregar armamentos de fabricação nacional.
A versão padronizada para a operação é a monoposto. Entretanto, a versão biposto retém toda a capacidade operacional da versão monoposto.
Dotada de um sistema de reabastecimento em voo, a aeronave será capaz de defender o espaço aéreo nos pontos mais remotos do Brasil. Tais características, aliadas ao desempenho da aeronave, possibilitarão um expressivo ganho na capacidade operacional da FAB.
O Gripen-NG integra um conjunto completo de sensores, com total flexibilidade de integração de armamento, podendo ser equipado com armas adquiridas de outros fornecedores no mundo. A capacidade de sobrevivência é garantida pelo equilíbrio existente entre as baixas assinaturas no espectro visível, infravermelho e radar, assim como por um avançadíssimo sistema modular de Guerra Eletrônica e de Autoproteção.
Como caça multiemprego de última geração para desempenhar todas as missões designadas pela Força Aérea Brasileira, incorpora elevado alcance operacional, capacidade de carga útil e o recurso de Guerra Centrada em Rede (NCW). O recurso NCW da aeronave brasileira será significativamente aprimorado, pois será operado em combinação com o sistema E-99 ERIEYE da Embraer.
O projeto, flexível e modular, faz com que o seu aprimoramento e desenvolvimento contínuo apresentem tanto baixo risco como excelente custo-benefício. O programa cobre o desenvolvimento de todos os principais sensores e aviônicos, inclusive a comunicação de dados, os sistemas de autoproteção, a integração de armas, bem como os aprimoramentos da estrutura do avião e de sua motorização.
 O Gripen-NG é uma plataforma de “baixo risco”, acompanhada de um programa já custeado de desenvolvimento contínuo e melhorias garantidas.  Tem uma grande capacidade de crescimento, o que é uma garantia de que atenderá a todas as demandas futuras.
Graças aos seus maiores tanques de combustível a aeronave tem excelente comportamento nos quesitos alcance e raio der ação. Na configuração de Patrulha Aérea de Combate, alcança um raio de combate de 700NM (milhas náuticas), ou seja, 1.300km, a partir da base de operaçãos, com mais de 30 minutos “na estação”.  Tem um alcance de traslado de 2.200NM (4.000 km).
O Gripen-NG é considerado um dos caças mais ágeis em combate próximo na atualidade, ao combinar um avançado layout aerodinâmico e uma configuração canard-delta com um sistema triplex de controle de voo fly-by-wire digital. Incorpora os sistemas de links de dados multifrequenciais mais desenvolvidos e seguros do mundo, conferindo ao piloto uma completa noção da situação ao seu redor, em todos os modos de operação.
Esta perfeita condição se deve a um avançado layout 100% digital, com grandes e coloridos displays MFD (Multi-Functional Displays), controles HOTAS (Hands-On-Throttle-And-Stick) e capacete com visor acoplado HMD (Helmet Mounted Display). O seu sistema de missão resulta da fusão total dos dados de seus sensores e, em decorrência, possibilita uma capacidade de combate excepcional, garantindo o lançamento extremamente preciso de armas inteligentes.
O motor General Electric F414G incorpora avançada tecnologia É um turbojato modular, com pós-combustão, baixa razão de diluição e eficiência no consumo de combustível. Com uma taxa de empuxo superior a 22 mil lb, o F414G gera 20% mais empuxo que o atual Volvo Aero RM12 do Gripen, viabilizando velocidade de super-cruise equivalente a Mach 1.1, com armas ar-ar.
O Gripen-NG integra o único radar AESA de 2ª geração do mundo, o ES 05 Raven, o Gripen-NG garante a sua vantagem em termos de noção situacional. Desenvolvido pela Selex-Galileo com a SAAB e com a indústria brasileira, é o único radar de combate do mercado munido de uma placa oscilante móvel (swash plate), permitindo cobrir ângulos de até ±100°. O ES 05 Raven traz melhorias em todos os aspectos quando comparado com os radares existentes, a exemplo de: melhor rastreamento de alvo; amplo campo visual;       flexibilidade de modos;               maior alcance de detecção; melhores dados eletrônicos de suporte; maior disponibilidade operacional e menores custos de ciclo de vida.
Transferência de Tecnologia
transferenciatecnologia
O programa de Transferência de Tecnologia (ToT) garante 100% de envolvimento em desenvolvimentos futuros e maximiza a autonomia industrial do Brasil, através da transferência de competências altamente avançadas e diferenciadas. O compromisso assumido com o setor aeroespacial brasileiro inclui a opção de fabricar peças e conjuntos do Gripen-NG, bem como a montagem final da aeronave no Brasil. Tal Programa incluirá: o projeto, desenvolvimento e integração de hardware, aviônicos, software e sistemas da aeronave; transferência de avançadas tecnologias e competências high-tech fundamentais, a exemplo de Fusão de Sensores, Baixa Observabilidade (LO) e Furtividade (Stealth); acesso a todos os níveis de tecnologia, incluindo códigos-fontes do Gripen-NG.
Uma grande parte de todo o trabalho de desenvolvimento do Gripen ficará a cargo da indústria brasileira. A tecnologia produzida no Brasil não será produzida em nenhum outro lugar do mundo, o que significa que os sistemas feitos no País serão incorporados em todos os novos caças fabricados. O Comando da Aeronáutica e a indústria brasileira tornam-se parceiros da Força Aérea Sueca e da SAAB, nas atividades de projeto, desenvolvimento e integração de futuros programas tecnológicos do Gripen-NG.
O envolvimento do Brasil no projeto e no desenvolvimento dará à indústria e à FAB acesso, sem precedentes, a todos os níveis de tecnologia, tanto hoje como no futuro.
A proposta oferece uma compensação econômica e financeira equivalente ao valor do contrato. O programa de compensação ou contrapartida (offset) transferirá know-how e tecnologias avançadas e exclusivas às correspondentes partes institucionais e industriais do Brasil, com o objetivo de desenvolver capacitação nacional. O compromisso assumido com o setor aeroespacial brasileiro inclui a opção de fabricar peças e conjuntos do Gripen NG, bem como a montagem final da aeronave no Brasil.
Proteção
protecao
Até 2018, quando o primeiro caça deverá ser entregue, a proteção do espaço territorial brasileiro continuará sob a responsabilidade dos caças F-5M, baseados em Canoas (RS), Santa Cruz (RJ) e Manaus (AM). Esses F-5M são caças americanos, fabricados na década de 1970 e que há sete anos passaram por um processo de modernização. No entanto, como essas aeronaves se encontram no limite do uso, o contrato com a SAAB abrirá a possibilidade para que o governo brasileiro negocie o fornecimento provisório de aeronaves de uma geração anterior ao Gripen-NG, no caso, o modelo Gripen-CD.
Gol de Letra
De acordo com matérias publicadas hoje, Cesar Augusto da Silva, presidente da da Akaer, principal parceira da SAAB, afirma que a parceria vai gerar 1,8 mil novos empregos, diretos e indiretos. Cerca de 80% da estrutura do caça será produzida no Brasil – fábrica será construída em São Bernardo do Campo - e ele calcula que a produção do modelo Gripen-NG, que já conta com 118 pedidos de aquisição, incluindo os 36 da FAB, terá impacto de US$ 15 bilhões na economia brasileira. “A escolha do Brasil vai atrair outros países para a compra do caça. Além de ser um ótimo avião, é considerado barato, da ordem de US$ 50 milhões”, prevê. Os investimentos na fábrica brasileira serão de US$ 150 milhões.
Com informações da Agência Força Aérea

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Para mudar Russas como Lula mudou o Brasil

Para mudar Russas como Lula mudou o Brasil

Lula fala aos russanos:

Força Lula

Governar é cuidar do povo

Pela valorização do magistério

Blogs Russanos

O PT tem os defeitos de todos os partidos, mas nenhum tem as suas virtudes.

Image and video hosting by TinyPic

Privataria Tucana