Translate / Tradutor

domingo, 7 de agosto de 2022

A mídia progressista novamente subestima o Fariseu que fala Deus acima de tudo. Cuidado, a história pode se repetir como farsa e tragédia para todos nós.




Novamente vejo que estão subestimando a força bolsonarista nas redes sociais e dentro da própria sociedade brasileira que vive uma confusão mental muito grande de um lado, de outro, a desesperança e o descrédito. 

Mídias progressistas e seus colaboradores novamente parece que estão em uma bolha que só percebem a vitória de Lula no 1º turno de um lado, de outro, fala em golpe, atentados, etc, mas não fazem uma análise aprofundada do que é o bolsonarismo que está difuso em todo o território brasileiro nas seguintes forças: 

militarismo e sua intenção de criar um Estado policial, o fundamentalismo religioso; garimpeiros, madeireiras, mineradoras, fazendeiros, agronegócio, etc. 

 

A realidade aponta uma eleição muito difícil e que será decidida em 1º turno com vitória apertada de Lula.

 
 

Bom final de domingo companheiros (as), estou testemunhando a artilharia bolsonarista muito pesada de ataques e fake news contra Lula e o PT. Estamos diante de forças bolsonaristas que estavam no armário até o dia em que  Bolsonaro votou no golpe contra Dilma e exortou o criminoso e torturador Carlos Brilhante Ustra. E o lavajatismo, enfraquecido, é ainda uma força dos mesmos excrementos que saíram o bolsonarismo, com uma diferença, eles se utilizaram das estruturas da justiça brasileira para o destruir a Constituição de 1988 e a próprio Estado social que vinha reduzindo as desigualdades sociais. Não temos escolhas, ou é a civilização, o Estado de direito, ou a barbárie. 
 
Não podemos cometer o mesmo erro de 2018 de subestimar as forças bolsonaristas que são difusas em todo o Estado brasileiro. 
 
E este substrato bolsonarista é composto por militarismo, estado policial, fundamentalismo religioso, lavajatismo e se aprofunda com madeireiros, grileiros, milicianos, garimpeiros, agronegócio, latifundiários. E tudo isso, inclusive está assustando banqueiros e as elites do país que parecem ter abandonados o bolsonarismo.
 
.... quando o Lula acenou para um governo de concertação do país, fortalecendo as instituições republicanas deste país. E vou deixar aqui um aviso. Não sonhem com um governo de esquerda e nem petista. Isso não existirá nesse governo de alianças e concertação, caso o Lula seja eleito. As elites já entenderam que o 3º mandato de Lula não será um governo de ruptura com o capital e nem de transformação. Será um governo de grande aliança partidária, com as forças liberais do pais e buscará reconstruir o Estado brasileiro, tanto fora como aqui dentro. Será um governo de combate à fome ao desemprego porque o bolsonarismo não irá voltar para o armário. Será uma força que existirá e poderá retornar em 26, caso o governo Lula seja um fracasso. E essa possibilidade existe porque internamente Lula encontrará um Estado falido e desossado de seu patrimônio, de suas instituições e um povo em crise do desemprego, da fome e da miséria. E externamente, o mundo em pré-guerra da 3ª guerra mundial. A guerra da Ucrânia não tem data para terminar tão cedo, mas o problema é os preparativos para a guerra de Taiwan entre China, EUA, Japão, Austrália e outros país, tendo em vista que Taiwan se concentra mais de 50% da produção de semicondutores  de 7 nanômetros e semicondutores que são utilizados, por exemplo, nos mísseis hipersônicos. No oriente médio, os preparativos entre Irã que já avançou na construção de sua bomba nuclear, e nesse momento o conflito entre palestinos e israelenses, De um lado, Irã, Palestina, Líbano,  Síria com o apoio da Rússia. De outro lado, Israel com o apoio dos EUA e império anglo-americano - EUA, Canadá e Austrália. No Ásia central os conflitos entre outros país. Na Europa, os países em crise, alta inflação, escassez de energia e alimentos. Na verdade recursos naturais passarão a dar lastro às moedas dos países exportadores. Portanto, esta realidade interna e externa em que o Lula governará o Brasil, que passará, também, a ser um ator fundamental no multilateralismo e nas conversas por paz em mundo fragmentado pelo nacionalismo, fascismo e nazismo. E por isso, Lula sabiamente foi até o centro em aliança de nove partidos e se coloca como um líder capaz de reconstruir este país. E que Camilo e Izolda e o outros personagens da política cearense comporão este futuro governo. E aqui no Ceará, temos o desafio de derrotar o militarismo e o Estado policialesco que nos ameaça em aliança com o fundamentalismo religioso. Quem ainda não acordou para esta realidade ou é ingênuo, ou é cúmplice. E o que podemos fazer para evitar este pesadelo?  Que façamos a luta necessária, que não sejamos omissos e que podemos passar pelas nossas diferenças partidárias e interesses individuais. O país, o estado cearense e principalmente que país, que estado serão construídos ou reconstruídos por nós, a partir de 2013 estão em nossas mãos. E devemos fazer valer a nossa mobilização, a nossa força e a nossa capacidade de abrir os olhos de todas as pessoas que nós temos alguma relação, dentro da ética, da boa conversa, do bom diálogo. Como diz Paulo Freire, em Pedagogia do Oprimido, ninguém conscientiza ninguém, as pessoas devem buscar a sua auto-organização, mas nós educadores (as), precisamos provocar nessas pessoas a devida reflexão e consciência a partir da pedagogia dialógica, criando conflito cognitivos.
E finalizo o texto, que a eleição para presidente da República Federativa do Brasil não terá segundo turno. Lula ou Bolsonaro ganhar as eleições em 1º turno porque teremos a eleição mais polarizada da história de nosso país. Para haver 2º turno Ciro teria que tirar entre 12 e 15º e as mulheres candidatas pelos grandes partidos como o MDB (Tabet) e União Brasil (Soraya) precisam tirar cada uma em torno de 5% dos votos. E vão tirar de onde? Do Lula, acho difícil porque é um eleitorado muito consistente. Vão tirar votos de Bolsonaro, também tem um eleitorado muito determinado a votar. E aí, é onde tem uma margem de indecisos, de votos nulos e brancos , que indo para esta gente, pode levar a eleição para o 2º turno. E no Ceará, eu vejo um potencial muito grande para o crescimento de Elmano que tira votos de Roberto Cláudio e também deverá receber os votos lulistas de Capitão Vagner. Sim, tem em torno de 15% de votos lulistas, ou seja, pessoas que são eleitores entuiastas de Lula, mas que nesse momento declaram votos no capitão sem fazer relação com o candidato de Lula no Ceará, que é o Elmano. E isso só vai acontecer a partir da propaganda eleitoral gratuita que fará efeito para este público mais antigo, mas são nas redes sociais, dos grupos de whatsapp que mais uma vez as eleições deste país serão decisivas. É o que aposta o bolsonarismo, com sua renda brasil de 600.00, redução dos preços dos combustíveis e algumas coisas eleitoreiras e que já conseguem fazer efeito nos eleitores mais vulneráveis do país. E novamente observo que o Nordeste não é esquerda e nem petista no seu grosso, ao contrário, o nordestino precisa de um Estado da providência que possa lhe garantir a mobilização social e por isso, em sua maioria, é grata ao Lula. Abraços.

A fome no Brasil hoje tem nome: genocida e ocupante na presidência da República Federativa do Brasil - vulgo: governo do osso.

A grande questão nesse momento é: por que o Brasil, sendo um dos maiores  produtores de proteína no  mundo, o povo passa fome e muitos, para escapar da fome, se resigna comer osso, pele frango e buscan comida no lixo? 

Quem é o responsável pela fome no Brasil? 

Sem vacilar respondo: o governo do genocida que está ocupando a cadeira da presidência. 

Alguém já ouviu falar de algum programa de combate à fome deste governo ou mesmo um programa para geração de emprego e renda?  

Estamos de volta aos anos 70, 80, 90 e 2000 quando a fome matava centenas de crianças neste país? 

Para responder é importante voltar no tempo com Fátima Bernardes e seu JN - (2001): Fome mata 300 crianças por dia no Brasil. 

E eu sou exemplo desta situação nos anos 70, comíamos pouca proteína, a comida era conta na mesa. Nos anos 80, início, a seca de cinco em que o ano de 82 os flagelados da seca vindo da zona rural tomaram as ruas do centro da cidade em busca de comida. Comércio foi saqueado. 

E os finais dos anos do século XX entregaram um país com a fome e crianças desnutridas. A matéria do JN de 2001 é um registro do Brasil da fome - como ou escreve Josué de Castro - em Geografia da Fome: “A fome, no Brasil, é conseqüência, antes de tudo, do seu passado histórico, com os seus grupos humanos sempre em luta e quase nunca em harmonia com os quadros naturais. Luta, em certos casos, provocada e por culpa portanto da agressividade do meio, que iniciou abertamente as hostilidades, mas quase sempre por inabilidade do elemento colonizador, indiferente a tudo que não significasse vantagem direta e imediata para os seus planos de aventura mercantil.


 

 

Número de famintos no Brasil quase dobrou nos últimos dois anos, constata pesquisa da Rede PENSSAN - Leonardo de França - Brasil de Fato

E vale destacar que a partir dos governos petistas, entre 2003 e 2014, 11 anos, o Brasil sai do mapa da fome. Por exemplo, a diária de um pedreiro de 10,00 em 2003 comprava 1 kg de carne. E no ano de 2013, a diária deste profissional de 100,00 comprava 7kg de carne. E no atual governo do osso e da fome, o povo, quando pode, come osso e pele de frango. 

sábado, 6 de agosto de 2022

O genocida que prometeu o céu para a mulher, mas lhe deu fome, desemprego, osso, pele de galinha e agora promete que tudo será diferente.

 

O atual ocupante da cadeira de presidente é aquele cara que prometeu o céu para a mulher, que a chamava de meu amor para cá e para e para lá. 
 
E por mais que amigos, parentes dissessem que o cara era um canalha, que não prestava, ela se iludiu e casou com ele. 
 
E coitada, foram mais de três anos de sofrimento passando necessidades, fome, desemprego e o marido não comprou as vacinas e deixou os amigos dela e parentes morrerem de covid . E a enganou com cloroquina e ivermectina. 
 

domingo, 31 de julho de 2022

Eu testemunhei Lula em Fortaleza reafirmando a poesia de Belchior: Amar e mudar as coisas me interessa mais




Ontem lembrei da campanha eleitoral de 1989.Éramos muitos jovens e com muitos sonhos e eu já era professor em meio a tantos estudantes.

E esta foi, talvez a campanha eleitoral que mais me marcou de todas que participei ao longo destes 40 anos.

O que sempre me moveu foram sonhos de um país melhor, mas concordando com Belchior - viver é melhor do que sonhar e que amar e mudar as coisas me interessam mais.

O pensamento singular de muitos colegas veem aí apenas o PT, talvez algumas pessoas. Eu vejo intensidade, eu vejo projetos. E por isso, falei com senhoras em suas cadeiras porque as pernas já não lhe dão sustentação.

Vi jovens em cadeira de rodas aí ao meu lado, senhores, senhoras.