Sigam-me os bons.

terça-feira, 21 de junho de 2016

Para entender a complexidade do mundo, da humanidade e da máquina de moer de cérebros.

Tenho dito que para compreender o mundo e a humanidade é preciso virar tudo pelo avesso. O olhar vertical ou horizontal não consegue visualizar as nuances de um mundo camaleônico e mortífero. O mundo é transdisciplinar, as pessoas ainda são lineares. Nesse sentido veja o texto maravilhoso publicado em dinâmica global
Entenda como o mundo funciona, como a humanidade é manipulada: desmascarando a engenharia social do Sistema.
20 de junho de 2016
Entenda por que apesar dos avanços em diversas áreas as pessoas não se sentem seguras, ao contrário, percebem o mundo descambando para o pior abismo.

“O ser humano deveria cuidar do bem-estar da humanidade lembrando sempre: as pessoas são mais importantes que as máquinas ou o dinheiro.”

Tradução do título original:

Guia para desmascarar as falsas esquerdas.

O artigo foi escrito por Pedro Bustamante

Dada a avalanche de ideias, iniciativas, ativismo, plataformas, movimentos, ONGs, partidos, etc., que são apresentados como progressistas ou de esquerda, mas na prática contribuem, ativa ou passivamente, consciente ou inconscientemente, a dominação hollycapitalista, propomos o seguinte guia, esperamos contribuir para desmascarar.

Em primeiro lugar, sob o título MÁSCARAS, trataremos de mostrar que muitos dos temas que nos são apresentados como positivos escondem um aspecto negativo, que é o mais importante. Ou seja, por trás da máscara de progressismo, esquerdismo, humanitarismo, ambientalismo, etc., muitas vezes se esconde a agenda de dominação do grande capital. Em segundo lugar, sob o título DISSIMULAÇÕES apontaremos uma série de questões que tendem a ser diretamente ignoradas, contornadas ou censuradas por esses movimentos, na medida em que não podem ser tão facilmente manipulados ou distorcidos como os primeiros. Na prática, ambos os grupos de temas, MÁSCARAS e DISSIMULAÇÕES operam em combinação. As DISSIMULAÇÕES são as mais importantes para compreender a extensão completa de como a dominação global hollycapitalista é exercida hoje. Portanto, eles tendem a ser contornado nos movimentos supostamente de esquerda. Mas se isso é possível é em grande parte porque máscaras, como o termo indica não apenas a máscara a verdadeira intenção, mas também criar cortinas de fumaça para tentar questões não importantes.

Em qualquer caso, é importante entender que muitas das questões que estamos interessados ​​tendem a mudar radicalmente direção dependendo da escala em que são implementados. Isso é muitas vezes as iniciativas, idéias, movimentos, ativismo, etc., não são positivos ou negativos em termos absolutos por seu conteúdo, mas pelo tamanho de suas estruturas e como estruturas de grande são recuperados, infiltrado e manipulado pelo poder.

MÁSCARAS

Leia também: Seis grandes histórias que as grandes mídias corporativas não querem que você saiba.


01. O anti-capitalismo. Uma das chaves para desvendar esses movimentos é que críticam o capitalismo, o neoliberalismo, as elites, a “casta”, os bancos, o sistema de débito, etc., mas eles fazem superficialmente. A verdade é que, em parte, atualizaram seu discurso e, ao invés de confrontar o capitalista de trabalho agora apresentam oposições tais como credor-devedor, elites-cidadania, etc. Mas, em geral, eles continuam no âmbito do pensamento marxista que procura explicar e reformar o sistema em termos de estrutura. Assim, contornam o fundo da questão, ou seja que a dominação capitalista fundamental e especialmente a hollycapitalista de hoje é exercida em última análise, independentemente da estrutura econômica, no âmbito da guerra, inteligência, crime, impunidade, sigilo e conspiração.

Leia também: A face oculta da globalização: a ditadura do dinheiro e a reescravização dos povos ocidentais.


02. O Globalismo ou a Globalização. Tudo o que tomar o adjetivo “global” deve despertar nossas suspeitas. Toda uma série de iniciativas “globais” são apresentadas como humanitárias, ecológicas, justas, redistributivas, fiscalizadoras, etc., são máscaras que escondem uma lógica muito simples, a saber, quanto maior for o alcance das estruturas de poder maior será sua capacidade de se impor violentamente a todos aqueles que se opõem a eles. A Globalização é um eufemismo para o imperialismo, e não há nada que sugira que o império global de hoje seja diferente de outros impérios históricos. Só que tem desenvolvido mecanismos mais sutis para disfarçar.

03. O Soberanismo. Hoje, o pulso fundamental é mantido entre os Estados-nação, especialmente os BRICS, e as estruturas globalistas. Isso significa que tudo o que enfraquece os Estados-nação tendem a reforçar as estruturas globais. O poder é uma hidra com numerosas cabeças. Opera alternadamente empurrando as duas placas da balança para desestabilizá-la e tirar proveito disso para transformar as estruturas de dominação. As transferências de soberania dos Estados-nação à Nova Ordem Mundial estão ocorrendo por cima e por baixo, pela direita e pela esquerda, a partir dos Estados-nação até as estruturas transnacionais e regionais.


Leia também: Cientista político norte-americano afirmou: Corrupção nos EUA é legalizada


04. A transparência e a corrupção. Muitos desses movimentos pretendem lutar por uma sociedade mais transparente, aparentam combater a corrupção nas estruturas de poder. O problema é que, mais uma vez, tendem a colocar a ênfase na transparência e na corrupção dos políticos e dos Estados-nação, e não no quadro complexo que está acima deles. Assim, estas iniciativas contribuem em última análise, para enfraquecer as estruturas do Estado e com isso fortalecer a opacidade e a corrupção das estruturas transnacionais.

Leia também: Engenharia social: o “Cérebro Mundial” e a grande fraude da Wikipédia.


05. A Horizontalidade. É preciso entender que as estruturas horizontais não se opõem às verticais, enquanto tentamos fazer crer. As estruturas horizontais também encobrem mecanismos de dominação verticais e centralizados, só que mais sutil e sofisticado do que o tradicional. No fundo a lógica é similar à troca de mercadorias, o que parece ser horizontal, livre, espontâneo regulado pela oferta e procura, quando na prática é permanentemente tensionado pela assimetria de poder, baseado na apropriação dos recursos naturais, energia, na criação de moeda fiduciária, informações, etc. A horizontalidade é também uma aparência na medida em que o poder infiltra agentes ou colaboradores na estrutura aparentemente. Mais facilmente o quanto mais horizontal é a estrutura. A Wikipedia é o melhor exemplo dessa falsa horizontalidade, como uma iniciativa apenas em parte horizontal, colaborativa, etc., porém a informação mais sensível é manipulada, distorcida e censurada a partir dos centros de poder globais.

06. A Participação. Este tema está intimamente ligado ao anterior. Os movimentos participativos, movimentos colaborativos, assembleários, voluntários, não-comerciais, etc., pode ser enriquecedores a um certo nível, mas também podem servir como dispositivos de amortecimento e recuperação que mantêm os participantes ocupados e os impede de se envolver em questões fundamentais. Eles fingem ser movimentos autônomos, mas na prática ainda dependem das estruturas de dominação global. A chave para valorizar estas iniciativas é até que ponto contribuem, ainda que indiretamente, à dominação hollycapitalista, em que medida, por trás das máscaras de cooperação, coletividade, liberdade, etc., o que está em jogo é a apropriação do trabalho, as idéias e as energias da cidadania por parte do grande capital.


Leia também: Afinal quem manda no mundo? As ONGs e fundações do mal articulam Golpes de Estado, a Globalização e a Corrupção Bancária.


07. A Sustentabilidade. A sustentabilidade, o ambientalismo, o verde, o biológico, etc., podem ser iniciativas louváveis, sempre que atuem a nível local ou regional, que realmente desafiem as estruturas de dominação global. Como dissemos, devemos avaliá-las em termos de escala e o verdadeiro impacto que têm em outras escalas do sistema. A sustentabilidade e o ecologismo, considerados em grande escala, encobrem a desindustrialização dos centros, a dependência de estruturas globais de produção e distribuição, a implementação de mecanismos de controle ds periferias pelos centros. Em última análise, a sustentabilidade em escala global encobre a eugenia das elites hollycapitalistas.

Leia também: Plano Maçonico de Miscigenação para eliminar a resistência e fraturar a sociedade.


08. O Humanitarismo e o anti-racismo. Mais uma vez estas questões são normalmente utilizadas pelo sistema como cavalos de Tróia. Humanitarismo está sendo sistematicamente utilizado para legitimar guerras, no ensejo da hipocrisia do hollycapitalismo, em que os caças e as bombas de protegem os seres humanos. O anti-racismo é outro álibi para as massas aceitarem e contribuirem para a dinâmica da destruição das tradições, das identidades, das idiossincrasias, das particularidades de diferentes culturas, raças, nações e religiões. A mescla racial, cultural e religiosa está sendo um dos mecanismos fundamentais utilizados pelas elites globalistas para desestruturar profundamente e destruir a alma coletiva dos povos, e com isso, sua capacidade de resistência. A mescla social, arquitetada ao mais alto nível cria o terreno fértil para, no momento necessário, canalizar o descontentamento das maiorias sobre as minorias, para catalisar processos de desestabilização, para instigar guerras civis.


Leia também: Na contramão da liberdade: Presidente da América agora ataca diretamente às famílias americanas.


09. O Transgenerismo. Esta é semelhante à estratégia anterior, que abrange o colapso das sociedades tradicionais e a destruição de formas de vida moderadas, virtuosas, equilibradas, naturais, férteis. Por trás da máscara dos movimentos de homossexuais, bissexuais e transgêneros se esconde algo tão crucial como é o enfraquecimento da moral e do bom senso, a desintegração do complexo erotismo-amor-sexualidade-fecundidade-criança. Como no caso do humanitarismo e do anti-racismo não entendido, a ideologia transgênero é o cavalo de Tróia para a destruição das estruturas sociais mais fundamentais, que são aquelas que melhor pode lidar com a agenda globalista distópica. Em última análise, é uma forma disfarçada de eugenia da que os próprios cidadãos são vítimas, quando eles optam por “voluntariamente” por desistir de conformar seres sociais a um tempo natural e cultural. O movimento LGBT, apesar de ser relativamente menoritário, desempenha um papel fundamental em todas as sociedades hollycapitalistas como vanguarda “transgressora”, que serve de referência para o resto das “opções” sexuais.

10. O feminismo e violência de gênero. Como o movimento transgênero, o feminismo e as campanhas hollycapitalistas de violência de genero operam como vanguarda social, a criar um grande efeito sobre toda a cidadania. O seu impacto é especialmente marcado em crianças e jovens, minando as bases morais de parcerias de longo prazo. Normalmente consideradas formas de engenharia social, mas a verdade é que estão baseadas em mecânicas propriamente religiosas e rituais, o que reforça ainda mais a sua capacidade para transformar profundamente a sociedade. Como o movimento LGBT, com o qual se produzem importantes trocas, o feminismo e a violência de gênero contribuem de forma encoberta para a degradação da forma como as sociedades tradicionais, a família, o casal, e insistimos, a desintegração do complexo erotismo-amor-sexualidade-fecundidade reprodução. Em última análise, contribuem para a agenda hollycapitalista de mercantilização e apropriação da fertilidade-criança, a transformação dos seres humanos em commodities-gado.


Leia também: A indústria do cinema americano é perigosa


11. A cultura. A chamada “cultura”, isto é, a indústria do entretenimento, é um dos elementos centrais de dominação no hollycapitalismo. Assim, temos cunhado esse conceito de hollycapitalismo, que acreditamos ser mais apropriado que os de capitalismo tardio ou cognitivo. Com isso não nos referimos apenas a Hollywood em particular, mas à dimensão de Hollywood que flui através do sistema. Esta dimensão de Hollywood também é crucial para compreender os movimentos supostamente de esquerda, pois remete à mesma mecânica de fundo para gerar muito ruído e muito espetáculo, mas evitar as questões importantes.

12. O estilo. Vinculado com o tema acima, a falsa esquerda muitas vezes recorre a todos os tipos de estilo de estratégias para fingir o que eles não são, em as quais estão a aparência, a maneira de vestir, o penteado, a maneira de falar, o tipo de linguagem ou termos utilizados que tendem a se distanciar o máximo possível de códigos conservadores ou de direita. Os meios de desinformação exploram essas aparentes contradições, apresentando dreadlocks (um penteado em que o cabelo é lavado, mas não penteado e torcido quando molhado a formar tranças apertadas ou cachos presos) ou camisas xadrez de uns ao contrário dos ternos e gravatas de outros, enquanto as questões fundamentais que transformariam o status quo são contornados. A combatividade aparente forma parte desta estrategia de estilo.

DISSIMULAÇÕES

Leia também: Os avisos de um colapso econômico mundial em curso.


13. O dinheiro do crédito. Esta é uma das pedras angulares da dominação imperial hollycapitalista. Mais uma vez temos de falar sobre hollycapitalismo porque o dinheiro é a maior das ficções do sistema. Compreender os mecanismos de criação do dinheiro de crédito pelos bancos centrais, a dívida soberana e o sistema de reservas fracionárias, em suas ligações com a geopolítica mundial, o controle dos recursos energéticos e as guerras cambiais, é essencial para compreender a operação do sistema. E o fato de que tudo essa mecânica escapa completamente ao poder da maioria dos estados e é de fato um dos mecanismos pelos quais estes são controlados pelo grande capital.


Leia também: A crise explicada: as raízes históricas da crise social no Brasil e o Papel do FMI


14. A reposição monetária. Como correlato da falta de entendimento, o debate e a denúncia do sistema monetário fiduciário, as falsa esquerdas contornam discutir a situação crítica de falência em que nos encontramos hoje, o fato de que esta situação nos levará cedo ou tarde a redefinir uma moeda global ou uma terceira guerra mundial. Junto a isso as falsas esquerdas tenderão a evitar tudo relacionado com metais preciosos e sua utilização antiga como moeda de backup. Especialmente considerando que este é o modelo que defende os BRICS e que está sendo o motivo da confrontação feroz ao mais alto nível.

Leia também: Desaparecimento do vôo 370 da Malaysian Airlines: A questão de Trilhão de Dólares para os EUA e seus serviços de inteligência.


15. III Guerra Mundial. De acordo com muitos analistas já estamos imersos nas preliminares de uma terceira guerra mundial, que já está sendo travada entre o Império atlantista-sionista e os BRICS na forma de guerras cambiais, desvalorização do petróleo, sanções, acidentes industriais e de aviação provocados, guerra de propaganda e outras formas de guerra não convencional. Na prática, as grandes potências estão se enfrentando indiretamente através de forças países terceiros ou exércitos de procuração. Esse problema tende a ser contornado pela falsa esquerda, e o papel que os vários estados jogam na rede global de alianças, acordos e exercícios militares para que, no caso mais provável de uma escalada do conflito global os posicionamentos de cada estado já vão ser muito difíceis de modificar.


Leia também: O Mito Oficial sobre 11 de Setembro: empurrando o conceito de “terrorismo islâmico”.


16. O terrorismo. Como una das formas fundamentais de guerra não convencional, o verdadeiro alcance do terrorismo internacional é outra das pedras de toque das falsas esquerdas. Estas tendem a adotar a narrativa oficial segundo a qual os estados ocidentais são os “bons” e os terroristas são os “maus”. Como muito reconhecerão o papel que estados totalitários aliados do Ocidente como Israel, Arábia Saudita e Turquia jogam nesta guerra de procuração. Mas poucos movimentos de esquerda conseguiram comprender, reconhecer e denunciar que o terrorismo internacional é hoje um dos mecanismos fundamentais da dominação hollycapitalista, controlado de diversas maneiras pelas agencias de inteligencia ocidentais (CIA, MI6, Mossade e outras), e utilizado em uma ampla gama de operações que vão desde a pressão política e geopolítica, a desestabilização para a guerra civil, bem como em atentados de bandeira falsa nos próprios estados que controlam o terrorismo para legitimar a implementação de estados policiais, ditaduras e em geral a agenda globalista.

Leia também: A Crise Manipulada e a Economia Global Fraude: Será que George Soros Controla a Casa Branca de Obama?


17. As crises. Junto com o terrorismo de estado encoberto toda uma série de fenômenos que hoje sofremos são em sua maior parte crises híbridas, em parte espontâneas e em parte planejadas. Após a Segunda Guerra Mundial, as guerras convencionais (até a de terceira geração) tendem a desaparecer e a ser sustituidas por guerras não convencionais, híbridas ou assimétricas (de quarta e quinta geração) mascaradas por trás destas crises planejadas de todo tipo: revoluções coloridas, crises migratórias planejadas, golpes de estado encobertos, “acidentes” tecnológicos e de transportes provocados, pandemias de laboratorio, manipulações climáticas, catástrofes “naturais” geoplanejadas, etc. O que falta sistemáticamente nas pretendidas esquerdas é comprender e denunciar o papel que estas crises planejadas estão desempenhando e seguirão fazendo nas próximas décadas nos mecanismos de dominação global e na implementação da Nova Ordem Mundial.

Leia também: Sementes abertas: a biopirataria e o patenteamento da vida.


18. Os transgênicos. Eles também podem ser considerados uma forma de guerra de quarta e quinta geração, na medida em que buscam não só a conquista do mercado global de alimentos, mas também a destruição dissimulada da agricultura tradicional e da pecuária. Mas o que está no pano de fundo dos transgênicos é muito mais crucial e alguns movimentos de esquerda estão indo tão longe para entender ou reconhecer. E aquilo que se mascara atrás dos organismos geneticamente modificados é a manipulação secreta da espécie humana e, finalmente, a sua transformação em commodity-gado.

19. O transhumanismo. Vinculado ao anterior, o transhumanismo é outro dos cavalos de Tróia do da subjugação total do ser humano e sua transformação em mercadoria, através de redes de inteligencia artificial e cibernéticas. A estrategia fundamental neste caso é apresentar-nos o transhumanismo como um “progresso” benéfico para o homem, em particular no campo da medicina ou a asistencia em diversas atividades, mas usando isso como uma cortina de fumaça para encobrir o projeto de domesticação e controle total dos corpos e das mentes que esta agenda implica, mediante o uso de diversos dispositivos tais como microchips implantáveis e nanoparticulas inteligentes que já invadem, controlam e manipulam nossos orgãos de maneira encoberta.

Leia também: Monitoramento Neural remoto: uma tecnologia usada para controlar o cérebro humano.


20. A geoengenharia. Vinculada ao resto dos temas, a geoengenharia é um dos fenómenos mais ausentes nos movimentos de falsa esquerda, e mais importantes para a agenda de implementação da Nova Ordem Mundial. Consiste na pulverização generalizada de substâncias químicas, sintéticas e orgânicas, mediante estelas químicas ou chemtrails, que geram as condicões para projetar ondas eletromagnéticas a partir da estações tipo HAARP. Com isso pode manipular-se o clima, causar secas, inundações, furacões, terremotos e maremotos, e modificar globalmente o clima. A mudança climática é um grande montagem hollycapitalista, criada em parte pela geoengenharia, para fazer avançar a agenda globalista. Como dissemos, a geoengenharia também permite o controle e manipulação de populações através de técnicas psicotrônicas, usando nanopartículas inteligentes que invadem o corpo, afetando funções biológicas e neurológicas específicas e contribuir para domesticar ou instigar movimentos de massa.

Leia também: O Novo Controle da Mente. “A estimulação subliminar” controla as pessoas sem o seu conhecimento.


21. A engenharia social. Embora já tenhamos discutido esse tema ao tratar sobre o transgenerismo, o feminismo e a violência de gênero, vale a pena insistir que a engenharia social é um dos mecanismos fundamentais de dominação hollycapitalista. A principal frente dessas estratégias de transformação social são os meios de comunicação de massa, filmes, séries, as redes sociais, mas também as instituições culturais e educacionais nesta agenda de manipulação e destruição das formas tradicionais de vida é apresentada como “teoria”. As formas alternativas de vida devem ser respeitadas. Mas isso é uma coisa e outra completamente diferente é fazer da anomalia o paradigma.

Leia também: O vírus Zika é uma mercadoria que pode ser comprada online: quem são as companhias proprietárias do vírus?


22. O governo oculto. As falsas esquerdas tendem a ignorar o papel central que as sociedades secretas, os governos ocultos, os estados profundos, as agências de inteligência, etc., desempenham na dominação global. O grau de infiltração destas estruturas de poder nos Estados Unidos, instituições, igrejas, e, geralmente, as diversas organizações sociais, é fundamental para a compreensão de como o mundo funciona. Como mencionado, poucos movimentos com pretensões de esquerda entendem ou querem entender que os mecanismos de dominação e transformação hollycapitalistas dependem dessas estruturas ocultas, operando por trás das estruturas visíveis do sistema, em sigilo, para a amoralidade, a ilegalidade, a impunidade e o crime, servindo o projeto globalista.

23. A Nova Ordem Mundial. Esta é outra das pedras de toque para reconhecer movimentos de esquerda falsos. A Nova Ordem Mundial é a meta na qual convergem as diferentes agendas das diferentes áreas e em diferentes escalas. É um processo de longo prazo, que remonta pelo menos ao Iluminismo e que supõe a criação gradual e contínua, mas também escalonada, deste governo mundial, através da instigação de revoluções de um sinal e de outro, de guerras, do controle de mecanismos comerciais, financeiros e monetários, a engenharia de choques de todos os tipos, etc.

Leia também: Empresas militares privadas estão a serviço da elite global do poder.


24. O Comunismo. Em relação à agenda secular da Nova Ordem Mundial, como é evidente as falsas esquerdas não sabem ou não reconhecem que o comunismo foi, em parte, um fenômeno instigado pelas sociedades secretas-sionistas-atlantistas para catalisar conflitos globais, justificar a corrida armamentista, destruir culturas antigas tradicionais, como a russa e a chinêsa, padronizar seu nível de desenvolvimento com o ocidental. Na verdade todo esquerdismo, em geral, pode ser interpretado como um fenômeno de dissidência controlada e de recuperação por parte dessas elites.

Leia também: Laços da família Bush com a Alemanha nazista: “Uma famosa família americana” fez fortuna com os nazistas.


25. O Nazismo e o Anti-semitismo. A demonização do nazismo é outra estratégia do império hollycapitalista para, associando-a a ele, desqualificar qualquer iniciativa de soberania nacional que represente uma alternativa real ao globalismo, baseada em valores verdadeiramente anti-hollycapitalistas, ou seja, valores tradicionais, de identidade, raciais, espirituais, religiosos, em resumo, valores próprios de seres coletivos encarnados. Poucos movimentos de esquerda reconhecem que as elites atlantistas-sionistas instigaram tanto a revolução bolchevique quanto o nazismo alemão para desencadear a Segunda Guerra Mundial e resolver a crise de 1929. Apropriaram-se da vitimização dos judeus, as históricas e midiáticas manipulações do genocídio, o abuso do conceito de anti-semitismo, as leis de emergência que os protegem, o excessivo poder dos lobbies sionistas, a parcela desproporcional dos sionistas na áreas da política, economia, cultura e entretenimento, o papel central de Israel na geopolítica mundial, etc., São todos elementos fundamentais para a compreensão de como o império atlantista-sionista e a dissimulação habitual nos movimentos de esquerda falsos, muitas vezes financiados por entidades sionistas.

Leia também: Nova Iorque autoriza anúncio com a afirmação: “matar judeus é louvar a Alá”.


26. A Religiosidade. Nós já apontamos que o hollycapitalismo não é apenas um sistema econômico ou político, mas também uma religião de pleno direito, mas é mascarado por trás de um suposto secularismo. Os mecanismos de dominação hollycapitalistas fundamentais, atentados terroristas de bandeira falsa, os geoplanejados desastres “naturais”, as pandemias de laboratório, as campanhas midiáticas de engenharia social, a manipulação de Hollywood em todas as áreas, não podem ser entendidas no seu escopo completo se não como rituais religiosos hierogámicos e sacrificiais orquestrados pelas sociedades secretas atlantistas-sionistas que valorizam este conhecimento durante milhares de anos, independentemente dos mecanismos de doutrinação das instituições oficiais.

27. A Exopoliticas. Finalmente, o tema mais tabú, mais desconhecido, mais escorregadio, onde poucos se atrevem a desvendar, é o da interação da raça humana com outras raças ou entidades alienígenas. A questão é mais política do que parece à primeira vista, na medida em que esses entidades alienígenas ou extraterrestres estariam a influenciar decisivamente no desenvolvimento humano. Isso também poderia ser usado como um álibi para criar um evento de bandeira falsa de grande alcance que servisse para manipular as massas frente à implementação da Nova Ordem Mundial.

Referências: Juan Aguilar, Malco Arija, Jane Burgermeister, a caixa de Pandora, Jose Luis Camacho, Luis Carlos Campos, Miguel Celades, Michel Chossudovsky, Jacob Cohen, William Cooper, Paul Craig Roberts, Manlio Dinucci, William Engdahl, Eladio Fernandez Benjamin Fulford, Manuel Frey, Manuel Galiana, Jesus Garcia Blanca, Jose Alfonso Hernando, Pierre Hillard, David Icke, Alfredo Jalife-Rahme, Thierry Meyssan, Rafael Palacios, Josep Pàmies, María del Prado Esteban, Jon Rappoport, robô Pescador, Felix Rodrigo Mora, Enrique Romero, Adrian Salbuchi, Alain Soral, Fritz Springmeier, Webster Tarpley, Pedro Varela, etc.


Autor: Pedro Bustamante – pesquisador independente, arquiteto e artista. Sua obra A regra de ficção: Capitalismo e sacrifícios Hollywood foi recentemente publicado em edições libertária. http://deliriousheterotopias.blogspot.com/
Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: elrobotpescador

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Para mudar Russas como Lula mudou o Brasil

Para mudar Russas como Lula mudou o Brasil

Lula fala aos russanos:

Força Lula

Governar é cuidar do povo

Pela valorização do magistério

Blogs Russanos

O PT tem os defeitos de todos os partidos, mas nenhum tem as suas virtudes.

Image and video hosting by TinyPic

Privataria Tucana