Sigam-me os bons.

sexta-feira, 3 de junho de 2016

O golpe no Brasi mostra que os poderes do BRICs não são uma alternativa real ao imperialismo norte-americano.


A resposta ao golpe de Estado brasileiro mostra que os poderes do BRICS não são uma alternativa real ao imperialismo norte-americano.
Parceiros juniores do imperialismo.

Em 12 de maio, o governo democrático do Brasil, liderado pelo Partido dos Trabalhadores (PT), foi vítima de um golpe. O que os outros países do BRICS (Rússia, Índia, China e África do Sul) fizeram?

Será que eles vão ficar tal como os reacionários que tomaram o poder em Brasília pivoteando o país para mais perto de potências ocidentais, contente por aquecer o assento de Dilma Rousseff na cúpula dos BRICS em Goa, Índia dentro de cinco meses?

Aqui na África do Sul, poucos esperam que o governo de Jacob Zuma do Congresso Nacional Africano (ANC) reaja de forma construtiva na cena internacional. Fazendo ondas não é provável num momento em que a Standard & Poors e Fitch estão em uma visita a África do Sul, com a decisão de rebaixar a nota de crédito do país ao status de “lixo”, como aconteceu no Brasil no ano passado.

Isto é uma vergonha, porque as duas últimas semanas têm oferecido excelentes oportunidades para a rebelião diplomática: revelações surgiram implicando a CIA na assistência ao estado de apartheid de 1962 e à detenção de vinte e sete anos de Nelson Mandela na prisão. Isso não é exatamente uma surpresa; o Departamento de Estado fez manter Mandela em sua lista de vigilância de terroristas até 2008.

Após estas revelações o porta-voz ANC Zizi Kodwa denunciou que a CIA “nunca parou de operar aqui. Isso ainda está acontecendo agora – a CIA ainda está colaborando com aqueles que querem uma mudança de regime”.

BRICS e Império.

O chefe porta-voz da política externa da África do Sul Clayson Monyela respondeu a acusação de Kodwa com a garantia de que as relações da África do Sul com os Estados Unidos “são fortes, eles são quentes, e cordiais.” Mas grito de imperialismo de Kodwa, à luz do golpe brasileiro, atingiu um nervo.

Na verdade, o argumento de que a queda de Dilma demonstra que os BRICS supostamente anti-imperialistas estão sob ataque sustentado pelo império norte-americano está a ser repetido em vários cantos. Comentaristas como Eric Draitser, Pepe Escobar, Paul Craig Roberts e Hugo Turner, juntamente com funcionários de Venezuela e Cuba, todos fazem esta reivindicação.

Um dos fundadores do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), João Pedro Stedile, foi perguntado por Il Manifesto sobre o porquê de “um grupo de deputados de organizações de extrema-direita ir a Washington antes das últimas eleições.” Ele respondeu: “Temer providenciará seu governo, a fim de permitir que os EUA controlem a nossa economia através de suas empresas… O Brasil faz parte dos BRICS, e outro objetivo é que ele pode rejeitar a aliança Sul-Sul “.

Outra versão deste enquadramento anti-imperialista foi ouvido no Black First Land First conferência de lançamento do movimento Consciência Negra Sul-Africana em 13 de maio: Brasil e África do Sul são vistos pelas forças imperialistas ocidentais como o elo mais fraco na cadeia BRICS. A estratégia do imperialismo é livrar-se dos presidentes que apoiam o processo BRICS. O imperialismo trabalha com os partidos de oposição internas para efetuar a mudança de regime.

O comentador do eloquente sul-africano Siphamandla Zondi, que dirige o Instituto para o Diálogo Global (um dos principais institutos de política externa da África do Sul), também compartilha este ponto de vista.

Zondi defende o projeto BRICS e contesta o argumento apresentado por mim mesmo os outros de que os BRICS realmente servem um papel “sub-imperialista” na economia global – que eles são totalmente cúmplices na reprodução da desigualdade tanto dentro de seus próprios países e entre outros no Sul Global.

Em um desafio postado no Facebook que chamou os observadores a reconhecer que “o imperialismo tem, na era moderna, tomado o racismo, o capitalismo bruto e o regime patriarcal como as suas formas.”

Não ao golpe, não ao imperialismo.

Rousseff é, naturalmente, a vítima de um golpe. Espero que o povo brasileiro possa se levantar contra o governo interino ilegítimo. Mas se o golpe foi um produto do imperialismo, como Zondi e muitos outros argumentam, requer um pouco mais de cautela.

Conforme vazamentos de WikiLeaks revelaram, Temer era uma toupeira para o Departamento de Estado dos EUA a uma década atrás, jogando o que Washington considera um papel incompetente, livre de ideologia com uma política “oportunista”.

Na verdade, assistimos a um problema semelhante aqui na África do Sul, conduzindo a espionagem do país, Moe Shaik, ofereceu o mesmo tipo de função conta tudo – antes de se tornar um elo de ligação fundamental para o Novo Banco de Desenvolvimento do BRICS.

Mas, como prova concreta de um golpe liderado pelos Estados Unidos no Brasil este fato parece insuficiente. Além disso, Rousseff negou a si mesma o papel do imperialismo uma semana após o impeachment, durante uma entrevista a Russia Today: “Eu não acredito que a interferência externa é uma primária ou uma razão secundária para o que está acontecendo agora no Brasil. Não é. A grave situação que vemos agora se desenvolveu, sem qualquer interferência.”

Ela repetiu isso quando pressionada pelo entrevistador, por isso era claro que ela culpa os velhos oligarcas por sua queda. Este ponto foi reforçado por revelações posteriores sobre as motivações locais dos golpistas.

Além disso, o entrelaçamento de racismo, patriarcado e capitalismo global também não é tão simples como era antes. Quando os aliados de Obama derrubaram o governo de Honduras em 2009, por exemplo, foi um homem negro e uma mulher em Washington, que deu credibilidade internacional para o golpe da elite capitalista local contra um democrata progressista.

Preocupações semelhantes sobre o papel de Obama no continente Africano também foram expressas – apropriadamente considerando a agenda do Comando África. Mas o papel dos países do BRICS não deve ser subestimado nestes jogos de poder geopolíticos.

Os Estados Unidos se torna mais perigoso pelas funções geopolíticas sub-imperialistas do que o deputado Sheriff Zuma aceita regularmente, ao aprovar o bombardeio da Líbia pela OTAN que levou a uma mudança de regime em 2011, ao apoiar Israel, mesmo durante as ações periódicas contra os civis em Gaza, muito felizes estão por hospedar os exercícios militares EUA-África do Sul, e até mesmo gabam-se abertamente de que o exército da África do Sul servirá como as “botas no chão” de Obama.

Isso não quer dizer que o imperialismo bruto desapareceu. Olhando apenas para os anos 2009-2012, quando Hillary Clinton foi Secretária de Estado, o escritor de Washington’s Blog Eric Zuesse resume repetidas vezes as incursões dos EUA em Honduras, Haiti, Afeganistão, Líbia, Síria e Ucrânia (e pode-se acrescentar o Paraguai também).

No entanto, apesar desta impressionante lista de intervenções imperialistas dos EUA, as “manobras de mudança de regime no resto do mundo negro”, como Zondi explica, não são comuns. Elas não são necessárias no momento, especialmente na África, onde a liderança local já está em decúbito dorsal quando se trata da agenda de Washington.

Multilateralismo neoliberal.

Simplificando, “o racismo, o capitalismo bruto e patriarcado” associado com imperialismo norte-americano do século XX têm sido largamente substituído pelo multilateralismo neoliberal de Obama – um estilo de governação que os BRICS têm caído, sem se opor.

Isso não é algo para comemorar. O Neoliberalismo Multilateral deixa os países BRICS muito menos capazes de exercer quaisquer intervenções Sul-Sul positivas.

De fato, a queda de Dilma demonstra isso claramente e o regime Temer recém-chegado é susceptível de seguir um curso desesperado para restabelecer a sua posição global. O desvio para o ocidente anunciado na semana passada pelo ministro do exterior de Temer, José Serra, além da agenda neoliberal renovada de Brasília a frente da casa, sugere que este será o caso.

Mas enquanto é óbvio que Serra vai tornar-se muito mais ativo como um aliado sub-imperial dos Estados Unidos do que foi Rousseff, Rousseff também fez pouco substancialmente na frente da política externa, além das ocasionais retóricas anti-ianque (como quando ela assimilou as informações de Edward Snowden de que Obama havia grampeado seu telefone e e-mail).

Conforme o comentarista pensativo (e geralmente pró-BRICS) Oliver Stuenkel recentemente lamentou:

Rousseff não conseguiu articular algo semelhante a uma doutrina de política externa do Brasil desde 2011 foi em forma de, acima de tudo, pela indiferente incompreensão de todas as coisas da Presidente e a incapacidade dos responsáveis ​​da política externa para convencer Rousseff de que a política externa poderia ser usada para promover os objetivos nacionais do governo – como ambos [os ex-presidentes brasileiros] Lula e Fernando Henrique Cardoso tão habilmente mostraram.

Serra, por outro lado, tem prometido que: Será dada prioridade às relações com novos parceiros na Ásia, particularmente a China, este grande fenômeno econômico do século XXI, e a Índia. Nós estaremos igualmente comprometidos com a modernização do intercâmbio bilateral com a África, o grande vizinho do outro lado do Atlântico…

Também vamos aproveitar as oportunidades oferecidas pelas instâncias inter-regionais com outros países em desenvolvimento, tais como os BRICS, para acelerar as trocas comerciais, investimentos e partilha de experiências.

Sub-Imperialismo.

Muitos dos que vêem o Brasil como a vítima do imperialismo também têm a visão correspondente de que o Brasil, juntamente com os outros países BRICS, desempenham um papel progressista no cenário global. Zondi articula este ponto de vista de forma concisa em um artigo recente para o Cape Times: A plataforma [BRICS] se tornou a plataforma mais poderosa para a prossecução da reforma global… O Brasil tem sido uma voz importante nos debates globais sobre a reforma da governação global, incluindo o FMI e o Banco Mundial, e em concordância e resultados justos para o mundo nas negociações comerciais mundiais em desenvolvimento…

O Brasil pronunciou-se sobre a agenda de trabalho decente, a soberania alimentar, uma maior contribuição ocidental para a resposta global sobre a mudança climática, a justiça ecológica e o fim ao imperialismo ecológico. O Brasil também tem sido um defensor da responsabilidade de proteger.

Podemos perder este momento. O Brasil é hoje uma parte importante do esforço para transferir o poder mundial a partir das antigas potências coloniais e sua diáspora na América do Norte a todas as regiões do mundo. É um parceiro-chave na cooperação Sul-Sul.

Muitos sul-africanos estão impressionados com os BRICS, mas a realidade de manobra global do Brasil é muito menos otimista. Nas configurações multilaterais mais importantes, as elites BRICS têm trabalhado contra os interesses da maioria do mundo e contra o meio ambiente.

Considerar as ações do Brasil no Fundo Monetário Internacional (FMI). Desde 2010 que tem vindo a trabalhar para reconfigurar o poder de voto (“voz”) na instituição. Ele reforçou a sua votação em 23 por cento (com a China também até 37 por cento, a Índia até 11 por cento e a Rússia até 8 por cento).

Isto não é uma coisa ruim. Mas o acordo de reestruturação que tornou isso possível foi prejudicial para os países africanos: Nigéria acaba de perder 41 por cento do seu poder de voto, juntamente com a Líbia (39 por cento), Marrocos (27 por cento), Gabão (26 por cento), Argélia (26 por cento), Namíbia (26 por cento) e até mesmo a África do Sul (21 por cento).

A partir desta perspectiva “BRICs versus África” ​​parece ser a maneira mais apta para descrever o papel do Brasil na “reforma da governança global” no FMI.

As manobras do Brasil em outras instituições de governança mundial – incluindo a Organização Mundial do Comércio (OMC), que atualmente é liderada pelo brasileiro Roberto Azevêdo – são igualmente prejudiciais.

De acordo com a ONG, ordinariamente pró-BRICS, Rede do Terceiro Mundo (TWN), o Brasil conspirou com os Estados Unidos e a União Europeia na OMC para “[garantir] que a Índia não conseguisse a linguagem que sugere “manter subsídios alimentares vitais, que nos próximos anos levarão dezenas de milhões de camponeses indianos a sofrer.

Como Chakravarthi Raghavan de TWN disse, “na véspera da Nairobi, o Brasil unilateralmente abandonou a aliança do G20 para se juntar aos EUA e a UE, na tentativa de agir contra a China e a Índia”, para não falar contra os pobres do mundo.

É claro, o comportamento do Brasil não é único. China e Rússia persistentemente bloquear esforços do Brasil, Índia e África do Sul para participar de forma permanente do Conselho de Segurança. O ponto é simplesmente que a solidariedade intra-BRICS, muito menos ampla a solidariedade Sul-Sul, é difícil de verificar na realidade.

A questão do papel do Brasil na luta contra a crise ambiental global também merece um maior escrutínio. Em 2009 Lula apoiou – ao lado dos Estados Unidos, Índia, China e África do Sul – o Acordo de Copenhague, que anulou a premissa vinculada ao corte de emissões do Protocolo de Quioto, continha metas de emissões totalmente sem ambição, e também destruiu o processo da ONU naquele ano.

Além disso, Rousseff foi um impulsionador da jogada pró-corporativa “economia verde” na Cimeira da Terra no Rio em 2012, que foi (semi-sucesso) rejeitada pela maioria do Sul Global. Ela também é signatária orgulhosa do acordo climático da ONU 2015 em Paris, um acordo que assegura o aquecimento global catastrófico e agora também legalmente impede as vítimas do clima no Sul Global de processar o Norte Global por sua dívida climática.

O Brasil também tem combinado forças com a UE – contra a Bolívia – para “abrir as mesmas brechas de comércio de carbono que minaram o último acordo climático global,” de acordo com Oscar Reyes, do Instituto de Estudos Políticos.

Ele observa que “o Acordo de Paris, permite explicitamente os países a contar com reduções de emissões realizadas em outros países, como parte de suas próprias metas nacionais, referindo-se a estes pelo eufemismo “resultados de mitigação transferidos internacionalmente.”

Por fim, a afirmação de que “o Brasil também tem sido um defensor da responsabilidade de proteger” simplesmente não se sustenta. Considere o Haiti e o “direito de proteger” que é a função de países como o Brasil executar. Conforme Mark Weisbrot (um simpatizante do PT) explica, A ocupação do Haiti da ONU é realmente uma ocupação norte-americana – não é mais uma força multilateral da “coalizão dos dispostos” de George W. Bush que invadiu o Iraque.

E dificilmente é mais legítima, ou seja: ele foi enviado para lá em 2004, depois de um esforço liderado pelos EUA derrubaram o governo democraticamente eleito do Haiti. Longe de proporcionar segurança para os haitianos por consequencia do golpe, [a missão da ONU no Haiti] ficou de lado enquanto milhares de haitianos que haviam apoiado o governo eleito foram mortos, e funcionários do governo constitucional presos.

Apesar do designado pelas Nações Unidas “direito de proteger” do Brasil, responsabilidades que não tem feito nada para expor ou se opor a estes crimes de ocupação, incluem estupro e abuso sexual de crianças haitianas por soldados da ONU.

Entretanto, de volta a Joanesburgo, a retórica que soa de Luthuli House do ANC é nada mais do que os políticos soprando poeira no ar.

Quando os líderes do ANC chamam o corajoso protetor público sul-africano Thuli Madonsela de um “agente da CIA”, ou declaram que o programa Mandela Washington Fellowship da Embaixada dos EUA é para treinar as crianças para a “mudança de regime”, eles mostram natureza anti-imperialista. Mas, na realidade, Washington não tem carne com Pretória. O ANC tem sempre notabilizou-se por falar a esquerda, enquanto andando para a direita.

O império norte-americano é real e opressivo, mas não deve impedir uma avaliação clara e crítica do verdadeiro papel dos países do BRICS no mundo.

Autor: Prof. Patrick Bond

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Para mudar Russas como Lula mudou o Brasil

Para mudar Russas como Lula mudou o Brasil

Lula fala aos russanos:

Força Lula

Governar é cuidar do povo

Pela valorização do magistério

Blogs Russanos

O PT tem os defeitos de todos os partidos, mas nenhum tem as suas virtudes.

Image and video hosting by TinyPic

Privataria Tucana