Sigam-me os bons.

sábado, 9 de agosto de 2014

Transdisciplinadade, escassez de água e políticas públicas no semiárido nordestino.


Amigos, é importante e necessária realizar reflexões sobre os temas propostos de nossa atualidade, com as mudanças climáticas e a seca que assola o nordeste. E uma questão importante é como funciona a interdisciplinaridade nas atividades pedagógicas em temas desta atualidade complexa que vive o mundo.


Seria a intedisciplinalide melhor pensada e trabalhada em projetos? E como seria o tema gerador?

Vejamos uma tema que nos deixa inquieto neste momento porque estamos vivendo isso na prática: A SECA? Como se poderia trabalhar este tema em uma visão interdisciplinar?

Qua a importância do  tema gerador na interdisciplinaridade? E como trabalhar o tema SECA na visão interdisciplinar?

Qual seria a contribuição da geografia para a compreensão da seca no semiárido? Numa perspectiva de geografia física, mas considerando os elementos humanos e sociais? 

Os estudantes seriam levados a entender a seca, não como ausência de água, mas sua má distribuição ao longo do ano no semiárido nordestino.

Como a SECA é mais uma questão social, econômica e política do que natural, a sociologia, a história e filosofia buscariam realizar um debate sobre as causas da falta de água, da miséria e de outros elementos que estão entranhados nos efeitos da seca no sertão nordestino, por quê? 

Porque entende-se que a seca na região nordestina revela que as pessoas não estão preparadas para a convivência com o semiárido, que faltam políticas para o abastecimento humano, etc. 

E que a seca é mais uma questão sociológica do que natural, posto que a economia primária é grande observadora de mão-de-obra de um lado. De outro, historicamente é preciso discutir a concentração de terra nas mãos de poucos. 

Nesse sentido, as ciências humanas, sociais seriam necessárias para explicar como se deu a concentração da terra, a capturarão do Estado nas mãos de poucos, a figura dos coronéis do sertão que controlavam terras e açudes, etc.

Como a SECA está presente no imaginário como um problema NATURAL, é preciso ampliar o entendimento para as causalidades do fenômeno SECA para além das questões naturais, geográficas porque a grande escassez na região do semiárido nordestino não foi apenas de água, mas principalmente a escassez de políticas públicas e tecnologias sociais para a convivência com o semiárido.

É isso mesmo, a partir de questões locais podemos atingir questões globais no currículo por resolução de problemas, utilziando um tema gerador. Seca parece ser um tema velho, mas as dificuldades dos homens e mulheres do sertão com a escassez de água nos revelam a incapacidade governamental e nossa de entender que a maior escassez é de politicas públicas para o desenvolvimento do semi-árido.
 
Veja que o semi-árido tem maiores possibilidades do que de fracassos. E quais as tecnologias sociais para o desenvolvimento do sertão? Deixo a pergunta no ar, mas lembrando que o problema não é NATURAL (A SECA), mas a CERCA onde se jogou milhões de nordestinos com o paradigma do abandono e da miséria.

Atenciosamente,
Luís Moreira

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Para mudar Russas como Lula mudou o Brasil

Para mudar Russas como Lula mudou o Brasil

Lula fala aos russanos:

Força Lula

Governar é cuidar do povo

Pela valorização do magistério

Blogs Russanos

O PT tem os defeitos de todos os partidos, mas nenhum tem as suas virtudes.

Image and video hosting by TinyPic

Privataria Tucana