Sigam-me os bons.

sábado, 16 de novembro de 2013

“Mensalão nunca existiu” afirma jornalista Raimundo Pereira, no Roda-Viva.



“Mensalão nunca existiu” afirma jornalista Raimundo Pereira, no Roda-Viva. “Eu posso afirmar com toda a convicção possível que não existe desvio de recursos públicos do Banco do Brasil. Se Joaquim Barbosa acha que quem diz isto é “pena de aluguel” deve processar pessoas como eu” – desafia editor de “Retratos do Brasil”

Raimundo Pereira desafia golpistas do Roda Viva


Enviado por  - O CAFEZINHO

Reproduzo abaixo, um belo texto de uma amiga, que prefere não se identificar (e por isso a apelidarei apenas de “Mulher de Fibra”), sobre a participação do jornalista Raimundo Pereira no último programa Roda Viva. Assista ao vídeo ao final do post.


Ela compara a coragem de Pereira à do chinês solitário que desafiou os tanques do exército chinês, durante as revoltas juvenis naquele país, em 1989. Sozinho, Pereira lançou um desafio ao Leviatã da mídia, ao qual todos os outros presentes no programa se ajoelham.
Sozinho, com a galhardia que somente o senso de justiça confere a um homem, Pereira aproveitou os poucos minutos de que dispunha num programa talhado apenas para chancelar o massacre midiático contra os réus da Ação Penal 470, para dar o seu recado: não houve desvio dos recursos do Visanet, e o “mensalão” não usou recurso público.
A história julgará quem tem razão: o jornalista corajoso e ético, embasado em documentos, em provas, ou os lacaios da mídia golpista e seu falso moralismo.
FICAREMOS CALADOS, DIANTE DA INJUSTIÇA?
Por Mulher de Fibra.
“Estou colocando em discussão a minha respeitabilidade de 45 anos de jornalista como profissão. Eu posso afirmar com toda a convicção possível que não existe desvio de recursos públicos do Banco do Brasil. O Banco do Brasil até hoje não o cobrou, a Visanet até hoje não o cobrou. Das 100 mil páginas dos autos do processo, 20 mil são de auditoria do Banco do Brasil que em nenhum momento disse que houve desvio.”
Estas são algumas das palavras que o jornalista e editor da revista Retrato do Brasil Raimundo Pereira, disse ao participar, do programa Roda Viva (26/08/2013), na condição de entrevistador, que teve como entrevistado Miguel Reale Júnior, ex-ministro da justiça do governo Fernando Henrique Cardoso.
O tema do programa, como já deu para perceber pelas palavras de Raimundo, tratava do julgamento da AP 470, chamado de mensalão.
Os outros entrevistadores eram: uma colunista do Estadão, uma editora da Folha de São Paulo, um editor da Época, um comentarista da tv Cultura e o apresentador do programa Augusto Nunes. Nada de novo, já poderíamos até adivinhar o quê eles iriam falar sem nem precisar ouvi-los.
Por 8 anos consecutivos, os meios (jornal, revista e tv) que eles estavam ali representado, publicaram notícias acompanhadas sempre das frases repetidas e repetidas como se fossem um “mantra”: “mensalão, o maior escândalo de corrupção da história”; “mensalão, o maior julgamento da história do STF”, “mensalão, o maior desvio de dinheiro público”.
Mas, alguém se lembra de ter visto alguma prova… assim, digamos… algum mero documento sendo publicado/divulgado por estes meios (jornal, revista, tv) que comprovasse o “mantra”?
Bem… Ao longo destes 8 anos, desde a publicação em junho de 2005 da “bombástica” entrevista de Roberto Jefferson na Folha de São Paulo que estampava o título “PT dava mesada de R$ 30 mil a parlamentares”, provas e documentos passaram a ser insignificantes. O enredo para uma boa trama que prende a atenção de qualquer leitor estava configurado. Envolvia dinheiro, políticos, ministros de estado… até o presidente da república.
O assunto da “moda” imediatamente adquiriu adeptos. A CPMI dos Correios, aberta para investigar o recebimento de propina (televisionado)de funcionário dos correios ligado a Roberto Jefferson, mudou de rumo e passou a falar do assunto muito mais atrativo: “mensalão”, palavra cunhada pelo próprio Jefferson. O procurador geral da república, Antônio Fernando de Souza, rapidamente apresentou uma denúncia no STF: selecionou 40 (grande “sacada”, pois “os 40” remete à fábula tão conhecida de todos). No texto da denúnia, o PGR se esforçou (e forçou) para resumir toda a história. Criou assim a tese do dinheiro público da Visanet, que pertencia ao Banco do Brasil, que foi desviado para as agências de publicidade do Marcos Valério, que “fez de conta”, que o dinheiro vinha de empréstimos do Banco Rural para serem repassados ao PT, que, por sua vez, comprou o voto de parlamentares para que votassem nos projetos de interesse do governo Lula.
Pronto! Joaquim Barbosa, adorou a “historinha”. Joaquim Barbosa vibrou em entrevista ao Estadão (02/09/2007) ao dizer que saber costurar uma historinha para apresentá-la de maneira sintética e clara é o primeiro passo (para conquistar a platéia). Ele disse que aprendeu issso no seu doutorado na França.
A tal historinha foi repetida e reproduzida pela imprensa por 8 anos a fio… O “mantra”.
As provas e documentos para comprovar efetivamente a historinha?
Ah… Isto é o de menos.
Como disse o entrevistado do programa Roda Viva, Miguel Reale Júnior, se o Joaquim Barbosa falou, tá falado. Se o Joaquim Barbosa disse que o dinheiro da Visanet pertencia ao Banco do Brasil, porque Joaquim Barbosa disse que o BB colocava dinheiro na Visanet (no Fundo de Incentivo Visanet), então é porque é verdade e ponto final.
Neste ponto da entrevista, Raimundo Pereira, já havia jogado a credibilidade dos seus 45 anos de jornalista como garantia de veracidade das investigações que ele havia feito (trabalho de 2 anos), fundamentadas nas provas e documentos do próprio processo. Raimundo já havia afirmado que “O desvio de dinheiro do Banco do Brasil é mentira!”. Já havia dito também que a prova de que não existiu “desvio” era que o dinheiro do Fundo Visanet (que pertencia à multinacional Visa International) era para fazer propaganda dos cartões de crédito da marca Visa e que havia comprovação de que estas propagandas foram feitas. Disse que os jornais em que trabalhavam os outros entrevistadores (Folha de São Paulo, Estadão, além da Zero Hora, organizações Globo)) tinham recebido dinheiro da Visanet para fazer as propagandas dos cartões de crédito da marca Visa.
Só faltou ele dizer o quão hipócritas eram as empresas que empregavam seus colegas jornalistas.
Raimundo afirmou que tem toda a documentação que comprova a realização das propagandas. Disse também que 20 mil páginas de documentos de auditorias do Banco do Brasil, que estão nos autos do processo, além de não falarem em “desvio”, comprovam que as propagandas foram feitas. Argumentou que, nem o Banco do Brasil, nem a Visanet nunca reclamaram qualquer dano, ou seja, nunca as duas empresas, diretamente envolvidas jamais apresentaram qualquer queixa cobrando dinheiro que houvesse sido surrupiado.

Raimundo em resposta ao entrevistado, o magistrado, Reale Júnior, disse que o dinheiro da Visanet (do Fundo) jamais pertenceu ao Banco do Brasil e jamais passou pela contabilidade e jamais fez parte do orçamento do BB. Por uma razão fartamente comprovada: a Visanet pagava diretamente às empresas que faziam as propagandas. A Visanet colocava o dinheiro na conta da DNA que, por sua vez pagava às empresas que veiculavam as propagandas da marca Visa, como por exemplo a Globo. Os comprovantes destes pagamentos estão nos autos do processo.
No programa Roda Viva, Raimundo expôs seu trabalho de investigação corroborado por documentos e encontra-se publicado em várias edições da revista Retrato do Brasil desde o ano de 2012. Raimundo foi o “ponto fora da curva” do programa, relembrando aqui frase utilizada por Luis Barroso, referindo-se ao julgamento do “mensalão”, antes de assumir o cargo de ministro no STF.
Mas ao contrário do ministro Barroso – que “amarelou” depois de sentar na cadeira giratória e de espaldar alto do plenário do STF, dizendo que ele até concordava que muitos réus não mereciam o “castigo” dado pelos colegas do STF, mas que em respeito ao trabalho de mais de 50 sessões do julgamento que já haviam sido realizadas, não seria ele que estaria disposto a remexer nos autos do processo, mesmo que isto significasse encontrar a verdade e fazer justiça -, Raimundo, um senhor de 73 anos, talvez desconhecido para muitos, encarou o desafio…
…o desafio de enfrentar o “mantra” repetido por 8 anos pela tradicional e velha mídia, o desafio de remexer na “página virada” – argumento utilizado por muitos para encerrar de vez assunto que exigiria conhecimento e, mais que tudo, exigiria deixar interesses pessoais de lado -, o desafio de questionar o próprio STF.
O ministro Joaquim Barbosa na sessão do julgamento dos embargos de declaração do dia 22/08/2013, assumiu ares de revolta, se remexeu todo na cadeira (fato raro: ele estava sentado), balançou a cabeça e uma folha de papel de um lado para o outro e indignadamente falou: como é que “plumes à gages” tinham a coragem de dizer que nos autos do processo não existiam provas de que o dinheiro do Banco do Brasil foi desviado (?!). Joaquim Barbosa, olhando para a tela do computador que estava a sua frente, leu, gaguejando, a expressão em francês que, em tradução aproximada significa jornalista/articulista que escreve a serviço de alguém, de forma parcial. Corresponderia a “pena de aluguel” na versão abrasileirada.
Raimundo Pereira ao relatar este fato no programa Roda Viva, primeiramente assumiu uma expressão arguta e irônica. Em seguida, “olhou direto nos olhos do telespectador” e disse com voz firme e clara: “Eu posso afirmar com toda a convicção possível que não existe desvio de recursos públicos do Banco do Brasil. Se ele (Joaquim Barbosa) acha que quem diz isto é “pena de aluguel” ele deve processar pessoas como eu.”

VEJA O RODA VIVA COM MIGUEL REALE JR NA INTEGRA

página do enock
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Para mudar Russas como Lula mudou o Brasil

Para mudar Russas como Lula mudou o Brasil

Lula fala aos russanos:

Força Lula

Governar é cuidar do povo

Pela valorização do magistério

Blogs Russanos

O PT tem os defeitos de todos os partidos, mas nenhum tem as suas virtudes.

Image and video hosting by TinyPic

Privataria Tucana