Sigam-me os bons.

domingo, 11 de agosto de 2013

As máscaras de Aécio, Alckmin, FHC, Serra, Globo, Folha, Estadão, Veja estão caindo com o escândalo de 500 mihões desviados do metrô de SP.

Operação mãos limpas na política brasileira?



Será que aproveitaremos esse momento de crise, quando se rasgaram as máscaras e se desnudaram os hipócritas e os falsos moralistas, para fazermos finalmente uma reforma política por intermédio da qual se resgate a dignidade na política?


Vivemos, nos dias que correm, uma espécie de “operação mãos limpas” na política brasileira? José Serra, Geraldo Alckmin e Andrea Matarazzo, quadros fundamentais do PSDB de SP, passarão pela mesma expiação dos seus pecados e pelo mesmo linchamento público porque passaram José Dirceu, Delúbio Soares e José Genoíno, quadros fundamentais do PT? Passarão? Ou os pecados de uns são mais venais que os de outros? Uns são mais corruptos que outros? Uns são mais “quadrilheiros” que outros? Está posta em xeque a Justiça no Brasil. Está posto em xeque o jornalismo no Brasil.

Tommaso Buscetta, você deve se lembrar desse episódio de nossa história contemporânea, foi o primeiro grande capo da máfia a romper o código de silêncio que vigia entre os gângsteres: a omertà. Buscetta nos remete, inevitavelmente, ao dedicado, arriscado e solitário trabalho dos juízes Paolo Borsellino e Giovanni Falcone, que entraram para a história como os magistrados que passaram a Itália a limpo, quando investigaram, e condenaram à prisão, centenas de parlamentares,  empresários, servidores públicos e jornalistas.

Na Itália, assim como no Brasil de hoje, desgraçadamente, as editorias de política dos jornais e revistas se misturavam, e se confundiam, com as páginas de polícia.

Roberto Jefferson era, desde o governo FHC, uma espécie de “capo” da política brasileira. Ocioso desnudarmos aqui as suas “vergonhas”, seus instintos mais “primevos”, seus “pecados” e inteligência a serviço do que há de pior na política. De repente, como que num “milagre”, Jefferson tornou-se um “santo”, um “herói” de  ópera-bufa, para a grande imprensa brasileira, quando  denunciou algo que viria a se tornar um suposto esquema de compra de parlamentares, o chamado “mensalão”. Na verdade, o que Jefferson denunciara era um esquema de financiamento da política,  via Caixa 2, que  é utilizado desde sempre pelos políticos e governantes brasileiros. Desde sempre. O resto,  sabe-se hoje, é história.

Agora, vem à tona um esquema milionário, também de caixa 2, e – ainda a se investigar e comprovar – de corrupção e  enriquecimento  ilícito de grãos-tucanos de São Paulo. Mas o esquema atinge também Arruda do DEM e outros tantos políticos. Pois, como já disse aqui, inúmeras e reiteradas vezes, esse modo de se financiar a política não é monopólio do PSDB, do PT, do DEM, do PMDB, do PP ou do PTB; é de todos os partidos.

Será que aproveitaremos esse momento de crise, quando se rasgaram as máscaras e se desnudaram os hipócritas e os falsos moralistas, para fazermos finalmente uma reforma política por intermédio da qual se resgate a dignidade na política? Ou será que perderemos mais essa valiosa oportunidade e continuaremos nesse joguete de intrigas mascarando a realidade de acordo com interesses de ocasião?

Já disse em artigos anteriores e repito neste: o mesmo pau que dá em Zé tem que dar em José também.

Os mesmos juízes – nas Cortes, mas também nos lares brasileiros e nas Redações – que condenaram José Dirceu como “corrupto” e “chefe de quadrilha” [sic], os “magnânimos” e “justos” detentores e defensores da capciosa tese do “domínio do fato”, esses juízes devem agora também condenar José Serra. Ou não?

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Para mudar Russas como Lula mudou o Brasil

Para mudar Russas como Lula mudou o Brasil

Lula fala aos russanos:

Força Lula

Governar é cuidar do povo

Pela valorização do magistério

Blogs Russanos

O PT tem os defeitos de todos os partidos, mas nenhum tem as suas virtudes.

Image and video hosting by TinyPic

Privataria Tucana