Sigam-me os bons.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

O discurso de Lula, por Gianni Carta

Por Francisco A. de Sousa
Este texto me deu um arrepio pela constatação que a verdade molda um ser humano que consegue captura-la.

Internacional Gianni CartaGianni Carta12.12.2012 20:14‘A crise pode fazer aparecer algo de novo’, diz Lula25 
Por Gianni Carta, de Paris
“Não estou acostumado a ter medo. Durante toda minha vida vivi em crise. Sou de um terra que se até 5 anos e idade você não morreu de fome é um milagre” , diz Lula em visita com Dilma a Paris. ”Foto: Ricardo Stuckert/Instituto Lula
Luiz Inácio Lula da Silva fez um de seus mais primorosos discursos hoje à noite, quarta-feira 12, na Fundação Jean-Jaurès, em Paris, onde, em parceria com o Instituto Lula, foi organizado o “Fórum pelo Progresso Social: o Crescimento como Saída da Crise”.

 
O presidente francês François Hollande e a presidenta Dilma Rousseff, esta em sua primeira visita de Estado à França, abriram o fórum, mas foi Lula quem fez o último discurso.
Humor não escasseou na fala do ex-presidente.
“É a primeira vez que pessoas secundárias fazem o discurso final”, disse Lula referindo-se ao discurso a anteceder o seu do ex-premier socialista Lionel Jospin.
“Isso, na França, é muito ruim, porque somos pessoas sem mandato.”
A plateia visivelmente apreciou o discurso sério de um exímio orador que soube mesclar sua própria experiência com a crise econômica global.
“Não estou acostumado a ter medo. Durante toda minha vida vivi em crise. Sou de um terra que se até 5 anos e idade você não morreu de fome é um milagre”, disse Lula.
Os risos começaram com as primeiras palavras do ex-presidente. “Não falo francês, inglês e nem português”, explicou. Disse, então, que falaria devagar para que as tradutoras entendessem o que ele diria.
Lula caçoou, ainda, de sua falta de opção na vida. Um jornalista, por exemplo, pode escolher sua profissão. Um metalúrgico não escolhe nada: ele vira metalúrgico para sobreviver.
No entanto, ao longo de mais de uma hora de discurso, ficou claro que o metalúrgico pode ser muito mais sábio do que jornalistas não somente na oratória, mas também na maneira de tratar seus colegas.
Em 2002, quando subia o Palácio do Planalto, após ser eleito no primeiro mandato, Lula era criticado pelos “sociólogos” (especialmente por um específico), e pelos “economistas”. “Eles sabem tudo”, disse Lula, não sem sua costumeira ironia. Todos, na sua galgada ao Palácio do Planalto, puxavam sua manga. “Não vai”, diziam.
“Eles me diziam que o Brasil estava quebrado”, contou Lula para o deleite da plateia parisiense. “Mas eu queria fazer algo de diferente. A primeira coisa era que nos respeitássemos. Não somos uma republiqueta.”
Naquela época, conta o ex-presidente, os líderes latino-americanos ficavam presos em seus grotescos paradigmas. Quem, por exemplo, era o melhor amigo de Bill Cintion?
Segundo Lula, o Brasil dava as costas para a América Latina, e, de forma ignorante, para a África, por acreditar que o Oceano Atlântico é uma fronteira.
Em um momento, para efusão da plateia, Lula declarou: “É muito fácil cuidar dos pobres, e muito mais difícil cuidar dos ricos”.
Antes, disse Lula: “O Brasil era um país capitalista sem capital”. O Bolsa Família, está claro, foi um programa para fazer ingressar milhões de brasileiros na classe média.
Lula fez mais: investigou por que o pobre não tinha acesso ao crédito. “Porque o pobre não oferecia garantias”, diz. Mas o ex-presidente acabou por acertar que o crédito do trabalhador é seu salário. E, assim, 40 bilhões de dólares foram colocados nas mãos dos pobres, disse Lula.
Por essa e outras, muitos empresários não votaram em Lula, nos seus dois mandatos, diz o próprio. “Eles tem medo de mim.” E emenda: “Mas hoje sabem que nunca ganharam tanto dinheiro – e nunca empregaram tanta gente”.
 O ex-presidente disse que a crise pode abrir uma oportunidade para os governantes assumirem responsabilidades e tomarem decisões importantes. “Essa crise está nos chamando para as grandes decisões políticas que desaprendemos a tomar depois de um longo tempo de bem-estar social”, afirmou Lula.
Lula chegou mesmo a questionar o dólar como moeda padrão internacional em Paris. Ele indagou, por exemplo, por que um brasileiro tem de comprar um colar boliviano em dólares.
O ex-presidente arrancou aplausos quando disse que se a ONU pôde criar Israel em 1948, por que não faz o mesmo para um verdadeiro Estado da Palestina.
Por fim, ele criticou os banqueiros. “Vocês já viram banqueiros presos? Não?”
É simples: eles financiam a mídia.
Extraído do blog do Nassif

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Para mudar Russas como Lula mudou o Brasil

Para mudar Russas como Lula mudou o Brasil

Lula fala aos russanos:

Força Lula

Governar é cuidar do povo

Pela valorização do magistério

Blogs Russanos

O PT tem os defeitos de todos os partidos, mas nenhum tem as suas virtudes.

Image and video hosting by TinyPic

Privataria Tucana